40 ANOS DO CURSO DE HISTÓRIA DA UNISC

Mozart Linhares da Silva
Publicado na Gazeta do Sul, dia 04/12/08
O Curso de História da UNISC está completando 40 anos na formação de historiadores e professores na Região do Vale do Rio Pardo. Nesse contexto é preciso algumas considerações.
Chamo a atenção que o Curso de História por pertencer às licenciaturas é também um curso não só vinculado à pesquisa científica, mas a educação e ao desenvolvimento cultural da região. E sendo um curso diretamente comprometido com a educação ele faz parte de uma das grandes áreas cuja preocupação é central para o país e região. Não é possível desenvolvimento na área da saúde, da tecnologia nem mesmo econômica, senão vinculado à educação como área estruturante.
É por isso que a educação merece todo o respeito e toda a atenção na UNISC. E o Curso de História desde 1968 vem contribuindo sobremaneira para o desenvolvimento dessa Universidade (é o terceiro curso criado). São gerações de professores e educadores egressos desse Curso que ajudaram a dar a feição desenvolvimentista dessa região.
Sabemos que o Curso foi criado num período triste de nossa história, num período de exceção, em plena ditadura militar, no ano em que o mundo levantava bandeiras de liberdade e democracia nós, no Brasil, mergulhávamos num regime truculento calcado num ato adicional que cerceava a liberdade e reflexão social. Daí o Curso iniciar suas atividades como uma habilitação dentro do chamado Estudos Sociais. Currículo inaugural já censurado, disciplinas de formação moral alijadas do espírito crítico que condiz com o mundo acadêmico. A dilapidação das humanidades nos legou a ignorância social sobre nossas atividades e profissão e passamos por duas décadas como colecionadores de dados e fatos sem sentido para a reflexão social. Sobrevivemos a tudo isso e a partir de 2002, depois de muitas discussões, finalmente a UNISC conquista o Curso na sua forma mais plena, um Curso de História efetivo, com currículo moderno e atualizado, merecedor, vale lembrar, de conceito máximo em todos os quesitos na avaliação do MEC.
O Curso hoje se orgulha em possuir um quadro docente extremamente qualificado, com produção cultural e científica reconhecida nacional e internacionalmente. Para tanto é preciso lembrar-se da importância do CEDOC (Centro de Documentação) e do CEPA (Centro de Pesquisa Arqueológica) que tanto honram esse curso. Hoje o CEPA está entre os principais centros de registros de sítios arqueológicos do Brasil, projetando a Universidade e região nacionalmente. O CEDOC como centro de documentação e espaço de pesquisa tende a se tornar uma referência regional e estadual, contribuindo ainda mais para a qualidade da pesquisa e do ensino na região.
Lembro aqui dos nossos vários egressos que entraram nos principais centros de pesquisa do Estado e do país, onde cursam mestrado e doutorado, como bolsistas e acadêmicos que levam o nome desta instituição para outros centros e constroem suas profissões de forma responsável e qualificada.
A abertura de novos mercados para os profissionais da História e o crescente respeito pela produção qualificada têm atraído estudantes em todo o país para área. Não só o cinema, mas também a mídia e uma série de publicações de cunho historiográfico têm demonstrado a importância da História para as reflexões acerca das sociedades contemporâneas. Hoje o historiador atua, entre outras áreas, no magistério, no ensino superior, em centros de pesquisa, assessoria de imprensa, assessoria política, memoriais, arquivos, na área do patrimônio cultural e histórico, e como profissionais liberais vinculados a empresas privadas, sobretudo na prestação de serviços de investigação histórica.
É com alegria que como coordenador do Curso de História parabenizo docentes, discentes e a comunidade pelo reconhecimento e desenvolvimento cultural da região.

Nenhum comentário: