"Leitores" brasileiros

Publicado na Gazeta do Sul, dia 14/04/2012


A leitura nunca foi hábito entre nós brasileiros, que por sinal alcançamos índices de alfabetização regulares a muito pouco tempo. Sempre fomos um povo, de certo modo, iletrado, que mantinha distância dos livros e bibliotecas. Na realidade, é preciso admitir, considerando nosso nível de conhecimentos gerais, nossa intelectualização e capacidade crítica ou simplesmente interpretativa, sempre fomos profundos como um pires. Nossa cultura bacharelesca, mais afetada e retórica que crítica, jamais levou o conhecimento a sério. Machado de Assis, num conto memorável e absolutamente atual, intitulado “Teoria do Medalhão”, já ironizava o significado do conhecimento e da cultura entre as elites nacionais (disponível na internet). Elites que, no século XIX, compravam bibliotecas inteiras para decorar paredes. Em muitas, os livros não passavam de entalhes em madeira encaixados nas estantes: o tradicional estilo “para inglês ver” que traduz nossas preocupações com as aparências.

Já que vivemos hoje num mundo chamado por alguns como “sociedade da informação” ou mesmo “sociedade do conhecimento”, era de se esperar que os brasileiros começassem a se preocupar com a educação, com a cultura e com o conhecimento. Mas adoramos cultivar péssimos índices, como se tivéssemos um verdadeiro orgulho de nossa ignorância hiperbólica. É nesse sentido que é lastimável, mas não surpreendente, os dados revelados pela pesquisa recente do Instituto Pró-livro sobre o número de leitores no Brasil. Temos 50% de leitores no país, mais ou menos 88 milhões de pessoas que leem, pasmem, apenas 3,86 livros por ano. Um levantamento da UNESCO, em 52 países, realizado em 2009, já apontava para este cenário. O Brasil apresentou um dos piores índices de leitura e compreensão de texto do mundo. Enquanto nós, brasileiros, líamos em média 4 livros por ano, os países considerados desenvolvidos liam em média 10 livros/ano. Segundo a UNESCO, ocupávamos o 47° lugar entre os 52 países pesquisados. Uma pesquisa recente realizada na cidade do Rio de Janeiro mostrou que dos 4 mil alunos pesquisados, 14% passaram os últimos cinco anos sem ler um livro sequer. Mas, o mais preocupante revelado pela pesquisa do Instituto Pró-Livro sobre os leitores brasileiros não é nem o percentual de leitores e sim a qualidade da leitura. Livros religiosos e didáticos ponteiam a lista. Considerando que a grande parte dos leitores acaba por ler algum livro por obrigação (indicados na escola ou os didáticos das disciplinas), podemos afirmar que a leitura como um hábito, voluntário e desejante, é nula. Somente 38% dos leitores leu por iniciativa própria, e apenas 26% destes, leram um livro inteiro. Lemos pouco, mal e quando lemos optamos por uma literatura rasa e pobre, que nos mantém exatamente como estamos. Pelo visto a literatura de autoajuda (uma das preferidas entre nós) não tem ajudado muito a elevar o nível cultural dos brasileiros.

2 comentários:

Rafael Toledo disse...

"Nossa cultura bacharelesca, mais afetada e retórica que crítica, jamais levou o conhecimento a sério."

achei muito bom esse comentário, até na universidade, provavelmente se você não for de específicos cursos de humanas, as pessoas não gostam de discernir assuntos em gerais e muito menos com uma postura imparcial.
Eu faço engenharia e sei como isso é difícil, e é até mal visto querer debater assuntos de forma aprofundada, afinal o mundo parece parado, então ele realmente deve ser assim, pra quê complicar, simples assim ¬¬

Rafael Toledo disse...

"Nossa cultura bacharelesca, mais afetada e retórica que crítica, jamais levou o conhecimento a sério."

achei muito bom esse comentário, até na universidade, provavelmente se você não for de específicos cursos de humanas, as pessoas não gostam de discernir assuntos em gerais e muito menos com uma postura imparcial.
Eu faço engenharia e sei como isso é difícil, e é até mal visto querer debater assuntos de forma aprofundada, afinal o mundo parece parado, então ele realmente deve ser assim, pra quê complicar, simples assim ¬¬